Junte-se ao grupo de assinantes e receba dicas, e-books e artigos do HypnoPlace.



TPM e hipnose: A solução está na mente

Que alívio seria passar pelo período menstrual sem precisar sofrer com as terríveis dores e sensações que tanto limitam a vida das mulheres todos os meses. Saiba que a hipnoterapia pode ajudar a tornar possível essa realidade.

Segundo a Organização Mundial da Saúde (OMS), oito em cada dez mulheres em idade reprodutiva sofrem com os sintomas da chamada Tensão Pré-Menstrual (TPM), que não é considerada uma doença, mas uma síndrome, que prejudica a vida da grande maioria das mulheres no mundo, provocando dores, sensações desagradáveis e estados emocionais negativos.

Para que se compreenda como a hipnose pode tratar a TPM, é preciso, em primeiro lugar, olhar para o ciclo menstrual de uma forma mais acolhedora, pois ele tem mais a dizer a nosso respeito do que fomos ensinadas a acreditar.

O ciclo menstrual

O ciclo menstrual tem em média 28 dias, podendo ser comparado a tantos outros ciclos da natureza, incluindo o ciclo lunar, que é dividido em 4 períodos de 7 dias (mais ou menos). A cada fase do ciclo menstrual o corpo passa por transformações necessárias e importantes para que a natureza cumpra o seu curso.

Os últimos dias deste ciclo correspondem à menstruação, quando o organismo passa por uma limpeza física, descartando o que não precisa mais reter, através do sangue menstrual.

Dias antes, porém, a mente também traz à tona o que registrou emocionalmente nas semanas anteriores, nos oportunizando saber o que temos guardado no nosso subconsciente, além, evidentemente, de nos possibilitar sanar aquilo que nos pede ajuda.

A natureza é perfeita e sabe o que faz. Quando, por algum motivo, não temos essa compreensão, não estamos sabendo interpretá-la devidamente, o que pode ser feito através de um olhar para dentro.

Fomos ensinados a responsabilizar fatores externos pelo que sentimos e não nos acostumamos a silenciar e observar o fluir da vida. A natureza nos traz todas as respostas.

Sob essa ótica, os sintomas vindos com a TPM não devem ser vistos como problemas, mas, assim como todo sintoma, um indicativo de que o equilíbrio e o bem-estar precisam ser restabelecidos.

mulher com raiva olhando para cima com tpm

Fonte: RobinHiggins / Pixabay

O que é a Tensão Pré-Menstrual (TPM)

O termo original em inglês PMS (pre menstrual syndrome) foi cunhado pela médica britânica Katharina Dalton na década de 50. Ela comprovou que quadros depressivos poderiam ser agravados durante o período precedente à menstruação.

Ocorre que, especialmente no Brasil, a mídia, a indústria farmacêutica e o viés adotado pela medicina ocidental moderna nos induziram a enxergar a TPM como um mal que vitimiza aleatoriamente algumas mulheres, que assim ficam “autorizadas” a chorar em público, extravasar seu mau humor e comer uma panela de brigadeiro, por exemplo.

Exageros à parte, já é hora de compreendermos que o nosso corpo fala e tudo que é sentido através dos sintomas traz uma mensagem importante sobre o mais íntimo de nós. Os sintomas falam a linguagem do subconsciente. O que externalizamos, nada mais é do que a expressão do nosso verdadeiro “eu”. Com a TPM não é diferente, ela é uma excelente chance de olharmos para o que está acontecendo conosco. Ela é o nosso termômetro emocional.

Sintomas da TPM

Acredita-se que 150 tipos de sintomas estejam ligados à TPM, entre eles depressão, compulsão, ansiedade, retenção líquida, cólicas, dores de cabeça e diversos outros, que variam em cada mulher. Isso porque é através da TPM que manifestamos no corpo o nosso acúmulo emocional.

Já é hora de compreendermos que aquilo que trazemos à tona neste período do ciclo, é nosso. Trata-se das emoções não resolvidas e guardadas nos cerca de 20 dias que antecedem esse período. Os sintomas variam em cada mulher, manifestando algo que existe em sua psiquê. Portanto, se uma mulher sente raiva, essa raiva é sua; se sente tristeza, essa tristeza é sua.

A partir de quando nos dispusermos a olhar para isso como sendo nosso e nos perguntamos: de onde vem essa raiva? De onde vem essa tristeza? Já estaremos a meio caminho de sanar esses sintomas. É preciso sair da vitimização, e parar de responsabilizar a TPM pelo que sentimos. O que sentimos não acontece de fora para dentro, mas de dentro para fora e diz respeito a como temos administrado os eventos da vida.

A hipnoterapia trabalha a causa emocional dos sintomas, demonstrando que todo sintoma tem um evento causador relacionado a uma emoção. Sanando a emoção, os sintomas podem amenizar ou desaparecer.

Não interessa a “desculpa” consciente que elegemos, afinal, tendemos a responsabilizar fatores alheios a nós quando não fazemos o exercício de olhar para dentro. Todo sintoma tem uma causa emocional que pode ser investigada e tratada através da hipnose.

O que chamamos de sintoma e temos como o início de uma doença, por exemplo: “estou com sintomas de gripe, logo, estou começando a ficar gripado”, é, em verdade, o último estágio de um processo de somatização que começou muito antes disso e, mediante um “gatilho” emocional, veio à tona. Todo sintoma diz o que o corpo precisa. Todo sintoma é um pedido e também um caminho para a cura.

mulher na janela pensando

Fonte: Free-Photos / Pixabay

A TPM e a mente feminina

Como falamos, na TPM os sentimentos ficam aflorados como oportunidade de lidarmos com aquilo que veio sendo guardado por tantos dias, sem ter sido resolvido. Assim, dores no corpo, inchaço, cólica, dor de cabeça, melancolia, irritabilidade, tristeza, entre outros, são reflexo de registros emocionais que nos pertecem e dizem muito sobre como temos levado a vida, como temos nos tratado e nos sentido intimamente. Sob esse ponto de vista, menstruar é uma verdadeira dádiva, sinal de saúde, é um presente concedido pela natureza para que possamos nos compreender e nos ajudar, até porque a sabedoria da natureza não deve ser subestimada.

Não podemos, portanto, culpar a TPM pelo que sentimos, pelo contrário, sabendo trilhá-la como um caminho para o autoconhecimento, é possível usar o ciclo menstrual em benefício próprio.

Neste sentido, a hipnose pode ser uma grande aliada das mulheres como ferramenta de acesso às emoções reprimidas, com a finalidade de identificar e sanar a raiz emocional da TPM no lugar onde essas emoções residem, o subconsciente, que é a nossa mente emocional.

O tratamento da TPM com a hipnoterapia

A hipnoterapia atua acessando o subconsciente, onde está a nossa programação mental, que acaba por determinar quem somos, refletindo em nosso estado físico e emocional.

Esse acesso nos permite identificar os gatilhos que originaram a TPM e ressignificá-los, para que deixem de produzir efeitos negativos e para que a mulher possa desenvolver atributos emocionais para agir de forma mais positiva a partir de então. Os resultados podem ser sentidos após a primeira sessão. Lembrando que a hipnose é um tratamento de curto prazo, que prevê de uma a três sessões.

Como consequência do tratamento, a carga emocional é aliviada, e mente e corpo passam a responder positivamente.

Então, se gostou do artigo, compartilhe com aquela amiga que chora no seu ombro todo mês!

 

 

 

 

Hipnoterapeuta OMNI Florianópolis/SC, membro da National Guild of Hypnotists – NGH, especialista em Hipnose para Crianças e Adolescentes – HypnoKids, colunista mensal do portal HypnoPlace. Formou-se em Reiki II, estudou Cromoterapia, Cromopuntura, Radiestesia e Metafísica Aplicada à Saúde. Formada em Jornalismo e Direito, trabalhou por 15 anos unindo suas duas formações. Em 2014 deixou o cargo de jornalista para abraçar o que se tornou sua missão de vida: a hipnoterapia. Desde então, tem ajudado centenas de pessoas a resolverem seus problemas e a expressarem seu pleno potencial.

X