Junte-se ao grupo de assinantes e receba dicas, e-books e artigos do HypnoPlace.



Câncer de mama: entenda o papel da hipnose no tratamento

Pintado de rosa por todos os lados, o mês de outubro cria um ambiente colaborativo para que todos, em especial as mulheres, voltem a refletir sobre a prevenção ao câncer de mama. Muitas campanhas, anúncios, eventos, palestras, tudo é criado a fim de trazer a informação e a educação para que novos casos sejam prevenidos, evitando assim que essa doença possa acometer a saúde, a autoestima e a vitalidade de quem utiliza a mama para nutrir a vida.

O Instituto Nacional do Câncer (INCA) estima que para cada ano do biênio 2018/2019, sejam diagnosticados 59.700 novos casos de câncer de mama no Brasil.  Uma estatística bastante preocupante que só reforça a importância de se prevenir contra o que considero uma epidemia, pois o câncer de mama é o mais comum entre as mulheres.

Assim, inegavelmente o outubro rosa traz à consciência das pessoas o despertar para a necessidade de estar com o devido acompanhamento clínico.

mulher segurando flores para conscientizar sobre o câncer de mama

Fonte: Pixabay

Uma reflexão sobre a prevenção ao câncer de mama

Em todas as campanhas do Outubro Rosa, o que mais se expõe é que o exame é a melhor prevenção pois, se for tratado no início, tem mais chances de cura.  Mas, precisamos entender corretamente as regras de uma enorme e importante campanha de saúde pública, como essa. Afinal, do que estamos falando?

Passando por avenidas, é muito comum ver diversos outdoors de clínicas, relacionados à campanha. Inclusive com pacotes de promoção de exames clínicos, campanhas publicitárias em TV, Internet, anúncios nas redes sociais e todos dizendo a mesma coisa:  faça o exame para prevenir.  Mas, pare para pensar um pouco: o exame previne? Como?

A prevenção começa na quebra de paradigmas, na quebra de dogmas, na eliminação da opressão, de emoções guardadas, das palavras não ditas, das coisas engolidas, do desrespeito.

O INCA, diz que alguns fatores de risco são: sobrepeso, sedentarismo, não ter filhos, etc…  Mas, por que então essas mulheres estão com sobrepeso? por que não tem filhos?  Por que o seu ciclo biológico não está normal? Por que não buscar as causas dos fatores de risco?

Gerald Kein, fundador do maior e mais renomado instituto de Hipnoterapia do mundo, desenvolveu o que chamamos de O Modelo da Mente e também desenvolveu pesquisas que levaram às regras da mente. Dentre as suas regras, tem uma que diz:  o que se é esperado, tende a ser realizado!  E foi justamente isso que aconteceu com minha mãe, há mais de 15 anos atrás.  Em meio a um processo depressivo, um câncer de mama surgiu e adivinha:  era o que ela mais temia.

Por que será que as mulheres sequer fazem o auto-exame? Por conta de tabus? Da cultura? Desconforto diante de suas crenças sobre o que significam os seus seios? Será? Talvez, o verdadeiro motivo seja porque, em seu subconsciente, já existe uma sementinha do medo. “E se eu tocar e descobrir? estarei condenada!” – pensam as mulheres.  Pois não há outra justificativa neuro-emocional, para que o autoexame seja tão negligenciado.

E esse tal de Outubro, que deveria ser o ano todo, se transforma num festival de anúncios de que exames são prevenção.  Exame é DIAGNÓSTICO. Exame é uma leitura de um marcador que o próprio corpo está demonstrando suas alterações.

Então, não. Você não recebeu um castigo divino. Você não foi escolhida para passar por isso. Você não está condenada a sofrer por conta disso. Mas é importante conhecer como tudo funciona.

Fonte: Pixabay

Mas então, o que é um câncer de mama?

Após a morte de seu filho em 1978, o médico alemão Dr. Ryke Hamer, desenvolveu um câncer de testículo. Naquele instante, o Dr. Hamer, que desde 1972, trabalhava com pacientes oncológicos, iniciou uma intensa pesquisa afim de identificar se o seu câncer estava relacionado com a perda do seu filho.

Nascia ali, a NOVA MEDICINA GERMÂNICA. Um conhecimento que está disponível para qualquer pessoa. Um mapeamento biológico desenvolvido por vários anos que levou, inclusive, o Dr. Hamer a perder sua licença médica e viver exilado após anos de perseguição das autoridades Alemãs.

Segundo Dr. Hamer, todo trauma pode causar um forte impacto na Psiquê, no Cérebro e em um órgão correspondente à região do cérebro afetada. Assim, dependendo de como esteja a psiquê, o cérebro, a fim de manter uma necessidade emocional, vai aumentar ou diminuir a função do órgão (produção de células), dependendo do que se passa com a pessoa.

Ficou complicado?  Vamos para a prática?

Segundo a medicina germânica, a mama, representada aqui pelas glândulas mamárias, tem como principal função a produção de leite para nutrir. Assim, conflitos aqui, tem como temática a preocupação e ataque à “integridade do ninho”, com noção de não poder nutrir o ninho.

Toda vez que sua mente entende que você está precisando nutrir, onde nutrir pode ser: tomar conta, cuidar, proteger, perder contato ou salvar alguém ou algo que para você seja muito importante – um filho, um parente, seu emprego, seu totó –  a mente irá comandar que o cérebro aumente a função dessas glândulas, para que você possa nutrir mais, cuidar mais, prover mais e proteger mais. Como o subconsciente não sabe distinguir o que é imaginário do que é real, ele vai querer proteger você dessa interpretação.

Assim, toda vez que um órgão recebe uma instrução de performar ou melhorar a sua função, ele produzirá mais células para garantir a ordem vinda do cérebro, mediante uma demanda emocional.

Agora, observe a definição do Câncer de Mama, no site INCA:  “O câncer de mama é uma doença causada pela multiplicação desordenada de células da mama. Esse processo gera células anormais que se multiplicam, formando um tumor.”  (disponível em www.inca.gov.br)

Faz sentido pra você?  Recapitulando: Toda vez que existe um aumento de função de um órgão, mais e mais células serão produzidas naquele órgão, formando tumores.  Daí, esclarecendo, no momento de uma biópsia, se esse tumor estiver em desenvolvimento (em produção de células) será considerado maligno, ou seja, um câncer (que identificamos na Germânica como fase ativa do conflito).

Entretanto, se no momento da biópsia esse tumor estiver “estacionado”, será considerado benigno. E advinha: esse tumor será um “ex-câncer”. Demonstrando para você que em algum momento, aquele órgão estava sendo exigido, mas que algo aconteceu na psiquê, e que a “ordem” de produção celular, cessou.

Não é mágico?  Um processo de auto-cura entrou em ação no momento em que você estabilizou suas emoções. Tudo completamente automático, gerenciado pelo seu sistema nervoso central.

mulher feliz livre do câncer de mama

Fonte: Pixabay

Tenho um câncer. A Hipnoterapia pode me ajudar?

Com toda certeza, a hipnoterapia avançada vai auxiliar muito na prevenção e no tratamento de qualquer tipo de doença, inclusive no câncer.  Como visto nesse artigo, a grande maioria das doenças terão sua origem num impacto emocional que desencadeará um processo de conflito que ativará um programa biológico e assim seu sistema, mesmo desenvolvendo algo que não vai ser bom para sua saúde, executa uma instrução interpretada por sua mente como necessária e vital.

Se você tem um câncer, acredito muito que você pode se beneficiar do autoconhecimento e ajudar imensamente no auxílio do seu tratamento atual. Com o processo terapêutico da Hipnoterapia, identificamos emoções guardadas e acumuladas através de técnicas, promovendo uma reeducação emocional. E reeducar suas emoções, significa dizer para seu sistema que está tudo bem, que o perigo passou, que os “predadores” não vão mais machucar você.

Quando participei de um projeto piloto no Instituto Baiano do Câncer, núcleo oncológico da Santa Casa da Bahia, onde meu papel era disponibilizar atendimentos de hipnoterapia para pacientes em tratamento, não imaginei que a “doença” seria o menor dos problemas daquelas pessoas. Quase todas as pacientes atendidas, aproveitavam os recursos de acesso emocional da hipnose para extravasar suas dores e mágoas.

Enfim, busque resolver suas angústias, suas dores, traumas e seu corpo vai saber fazer o que ele sabe. Nosso sistema autônomo já tem todo o conhecimento de autocura que precisamos para viver. Afinal, a regra número 1 da nossa mente é a sobrevivência.

Eu, acredito nisso! E fico aqui pensando como seria se você acreditasse também.

Esse texto visa trazer autoconhecimento. Jamais suspenda tratamentos ou medicações sem a orientação do seu médico. Aproveite todas as campanhas deste mês para também refletir sobre sua vida, sua liberdade, sua paz, seus relacionamentos, reflita sobre o amor, sobre se doar, sobre fazer a vida se perpetuar em nosso planeta pois o melhor alimento de todos esteve, está ou estará aí em teu seio.  A sua natureza biológica lhe fez perfeita. Não estrague isso! Cuide de suas emoções e viva saudável.  Se necessário, busque ajuda profissional.

 

 

Palestrante, Escritor, Hipnoterapeuta pela OMNI Hypnosis Training Center. Membro da National Guild of Hypnotist – NGH, especialista em hipnoterapia para o tratamento de disfunções físicas relacionadas a fatores emocionais – HypnoCell e Decodificador Mente e Corpo. Membro do grupo Omni Heroes, levo o Autoconhecimento para que todos entendam que é a melhor forma de conquistar tudo que é desejado e sobre como a Hipnoterapia pode desbloquear todo o potencial humano.

X