Junte-se ao grupo de assinantes e receba dicas, e-books e artigos do HypnoPlace.



Mães narcisistas: como a hipnoterapia pode ajudar no tratamento das filhas

“Sinto que minha mãe é minha inimiga. Não entendo porque ela me menospreza. Ela disse na minha cara que nunca me amou e já tentou algumas vezes me matar.”

Algumas mulheres ao lerem esse parágrafo podem se identificar e outras acharem essa frase um absurdo. Afinal, qual mãe não ama incondicionalmente o filho? Mas mãe não é tudo igual. Há mães que não conseguem e não querem cuidar, e nem todo vínculo de mães e filhos é de amor.

Na mitologia grega, Medeia mata o próprio filho para se vingar de Jasão, que a deixou por outra mulher. E essa história, assim como outras da literatura e da vida real, mostra perspectivas diferentes da “mãe ideal” que segue os padrões sociais.

Para muitas mulheres, ser mãe é um sonho, e é um dos papéis mais importantes, se não o mais importante que podemos assumir, mas existe, sim, mães que não sentem amor por seus filhos. E esse assunto é delicado, pouco discutido, por isso convido vocês a refletirem sobre isso neste mês de maio, onde ocorre o dia das mães e também para poder te ajudar, caso você seja ou conheça uma filha de uma mãe narcisista.

Narcisismo

Muitas filhas crescem sem ter a consciência que a sua mãe é uma mãe narcisista.

A origem da palavra narcisismo eclode da Mitologia Grega, que narra a história de um belo jovem chamado Narciso, que desprezou o amor de todas as ninfas e foi condenado a apaixonar-se por si mesmo. Este seu amor levou Narciso à morte, afogado em seu reflexo na água.

E o narcisismo se transforma em patologia quando sai do seu estado normal para o doentio, o impossibilitando de ter relações saudáveis com as pessoas a sua volta. E algumas características desse perfil são: egocentria, insensibilidade, ausência de remorso, falta de gratidão, desvalorização de outras pessoas para manter a própria imagem elevada, busca por admiração, ostentação incomum, rejeita a opinião alheia e tende a ser dominante sobre aqueles que julga inferior.

Uma mulher assim, quando se torna mãe, tende a ser manipuladora, abusiva, opressora, egoísta, invejosa, muito crítica, pouco empática com seus filhos e exibe comportamento infantil.

menina agachada chorando

Fonte: PublicDomainPictures / Pixabay

Quais são as consequências de ter tido uma mãe narcisista?

Segundo a psicoterapeuta americana Linda Martinez-Lewi, ser criada por uma mãe narcisista é emocional e psicologicamente abusivo e causa efeitos debilitantes e duradouros para as crianças.

A criança que cresceu sempre com julgamentos e acreditou nas críticas de uma mãe narcisista como sendo verdade absoluta, pode ter a percepção de “nunca ser boa o suficiente”, ter falta de amor próprio, achar difícil confiar nos outros, ser autocrítica e dificuldade de se ver como uma pessoa competente e digna de ser amada.

Além de negligenciada pela mãe, tem o senso comum. Que julga ela como a filha ingrata que não sabe valorizar a mãe, que despreza tudo o que recebeu, uma pessoa má. Se sente muitas vezes sozinha, culpada, como se tivesse a obrigação de satisfazer as necessidades emocionais da mãe e se rejeita.

Por que a minha mãe não me ama?

Muitas filhas se questionam sobre isso, e as seguintes dúvidas são muito comuns:  Por que a minha mãe não me ama? Por que será que ela tem esse comportamento?

Precisamos compreender que muitas vezes essa mãe foi criada por uma pessoa com perfil narcisista. Se ela não sentiu amor, não teve carinho, ou seja, se ela não recebeu esses recursos, ela não tinha condições e não sabia oferecer isso para cuidar de uma criança. Ela é apenas resultado da programação das pessoas que a criaram, pois também sofreu (e muitas vezes continua sofrendo), foi manipulada e está apenas repetindo os mesmos padrões de comportamento.

No livro Huckleberry Finn, escrito por Mark Twain, ele relata que: não precisamos nos definir pelas feridas sofridas pelos sistemas familiares.

Ou seja, o seu passado, o que aconteceu com você, pode ter te ajudado a te moldar, mas não te define!

Tratamento

Conheço e atendo muitas mulheres que se dizem ser vítimas de mães narcisistas. Mães que exigem que suas filhas se ajustem em um molde que elas mesmas criaram para se exibir, mães que utilizam a doença e a vitimização como principal estratégia de manipulação e atenção, mães dependentes que invertem os papéis e fazem que sejam suas filhas que se encarreguem de seu bem-estar físico, emocional e sua válvula de escape.

A maioria dessas filhas não têm a consciência que grande parte da sua insegurança, necessidade de aprovação, perfeccionismo, tristeza e um sentimento de vazio foram originados por essa “falta” de amor materno, por essa inversão de função. Para uma criança, compreender que a sua própria mãe não a ama pode ser extremamente complexo e penoso para ser superado na vida adulta.

E sei o quanto é tóxico conviver com uma mãe narcisista. Muitas filhas que me procuram se colocam no papel de vítima. E sei o quanto fazer a hipnoterapia e tratar algumas questões é dolorido. Mas esse papel de vítima só continuará sendo seu se você aceitar e quiser ele. Porque a dor é inevitável, mas o sofrimento é opcional.

Se você é filha de uma mãe narcisista, sei que muitas vezes não se sente digna de amor e é difícil se aceitar, ter uma autoestima saudável, mas lembre-se que você não está sozinha, converse sobre isso e busque ajuda de profissionais competentes e especializados para tratar as suas feridas emocionais.

Entenda que a sua mãe ou alguém com um comportamento narcisista geralmente não muda facilmente. E que essa decisão não cabe a nós. Uma pessoa só muda algo por decisão própria. Buscar ajuda é uma escolha dela, mas você pode mudar e não repetir o mesmo padrão de comportamento. Pode agir de forma diferente.

Lembre-se: uma pessoa que te fez ou faz você se sentir mal, só agiu ou agi assim porque você permitiu. Não se permita mais se sentir assim, porque você não é culpada. 

Muitas me perguntam se com a hipnose é possível apagar ou esquecer alguns momentos traumáticos. E isso não é possível. Mas é possível, ressignificar esses momentos com a hipnose, ou seja, lembrar deles sem uma emoção negativa associada e aprender com aqueles eventos.

E se isso for necessário, e lhe fizer bem, tomar a decisão de se distanciar um pouco da sua mãe. Se for o seu caso, faça isso sem culpa, pois você não é a responsável pela felicidade dela, apenas pela sua. Se cuide com mais gentileza, amor e carinho!

Se você gostou do artigo, compartilhe. Até o próximo!

 

Hipnoterapeuta pela OMNI Hypnosis Training Center.  Membro da National Guild of Hypnotists – NGH, especialista em Hipnose para Crianças – HypnoKids. Como hipnoterapeuta vem atuando com adultos e crianças, ajudando-os a melhorarem sua autoestima, serem mais confiantes e a despertarem o potencial que há dentro de cada um, de forma rápida e duradoura.

X