Junte-se ao grupo de assinantes e receba dicas, e-books e artigos do HypnoPlace.



A hipnoterapia como ferramenta de tratamento da ansiedade

Segundo o DSM-V (Manual Diagnóstico e Estatístico de Transtornos Mentais IV), “os transtornos de ansiedade incluem transtornos que compartilham características de medo e ansiedade excessivos e perturbações comportamentais relacionados”.

Períodos de Vida

Existem apenas três períodos situacionais em que a pessoa pode se inserir: passado, que apenas serve para a pessoa sofrer ou aprender; presente que é o aqui e agora, e o futuro, que geralmente se diz: “a Deus pertence”. Na verdade pertence a você o seu futuro e ele poderá ser iniciado agora no presente, adotando-se medidas e atitudes para se ter um futuro com melhor qualidade e estilo de vida. O seu futuro, depende de você!

Definição

A ansiedade é um transtorno intrinsecamente associado a preocupações excessivas e expectativas futurísticas, dessa forma vive-se o presente de forma apreensiva, é algo natural e necessário para a sobrevivência, porém ela está ligada ao futuro (se, mas), e ao medo de perder o controle.

A pessoa tenta de toda forma controlar a ansiedade através de planejamento e uso da força de vontade. Alguns conseguem, porém a maioria não e quanto mais evitam ou se esquivam do estímulo ou gatilhos ansiogênicos, mais reforçam o medo e a ansiedade, o medo aumenta e isso, realmente se transforma em sofrimento psíquico, e diminuição da qualidade de vida de quem sofre dela.

hipnoterapia-ferramenta-tratamento-ansiedade

Diferença entre medo, ansiedade, fobia e pânico

O medo é um sentimento real, você o sente sempre que estiver de uma forma ou outra, exposto as intempéries que a sociedade impõe como: a aproximação de duas pessoas numa moto em atitude suspeita. Vai se ter medo?

Possivelmente sim, haja visto que tem ocorrido muitos atos de violência por delinquentes que fazem uso desse tipo de transporte, exatamente por serem ágeis e eficazes durante sua fuga, no entanto deve-se ficar atento e perceber se também não se está sendo influenciado pelo sabotador hiper-vigilante, fazendo com que seu corpo entre em estado de alerta constante, se tornando descontrolado e tirando sua paz.

Este sentimento remota a época da idade da pedra em que os grupos de caçadores saiam em busca de alimento e de repente algo diferente acontecia, alguns fugiam com medo e outros ficavam, possivelmente os que ficaram, foram devorados por algum animal predador de grande porte. Esta lembrança de luta ou fuga está registrada na amígdala cerebral, lá no sistema límbico, também chamado de cérebro mamífero e o centro das emoções.

Sempre que nosso subconsciente achar que estamos em perigo, seja real ou imaginário, acionará as remotas lembranças registradas e salvas lá na amígdala cerebral, ativando assim a resposta automática de luta ou fuga. Sempre ocorre quando se está diante de um perigo e que há possibilidade de que pode algo nos fazer algum mal.

Segundo (Barlow 2002, p. 104 apud Beck 2012, p.16) “O medo é um alarme primitivo em resposta ao perigo presente, caracterizado por forte excitação e tendências a ação”.

Ansiedade por outro lado, foi definida como “uma emoção orientada ao futuro, caracterizada por percepções de incontrolabilidade sobre eventos potencialmente aversivos e um desvio rápido na atenção para o foco de eventos potencialmente perigosos ou para a própria resposta afetiva do indivíduo a esses eventos”.

Já a ansiedade é uma reação normal da nossa mente, é um transtorno que muitas pessoas procuram o consultório, seja Psiquiátrico, Psicológico ou Hipnoterapêutico e geralmente perguntam: A ansiedade tem cura?

A minha resposta é não, porque ela tem um papel muito importante na vida da pessoa, por sinalizar e promover algumas reações que coloca a pessoa em estado de alerta, ocorre que este processo deve acontecer sob seu controle e que saiba como se controlar. A partir do momento que se perceba a inexistência desse controle e que a vida está virando ou já virou um pandemônio, está na hora de buscar ajuda, talvez até já possa ser inserido e diagnosticado como possuidor de Transtorno de Ansiedade Generalizada.

“Uma clara e inequívoca diferença entre medo e ansiedade, é na queixa de quem tem Transtorno Obsessivo Compulsivo – TOC, em que tem medo de ser contaminado ao pegar numa maçaneta de porta ou apertar uma mão, para se esquivar das respostas ansiogênicas desagradáveis lava suas mãos compulsivamente”. (Medeiros 2017)

Conforme a versão digital da (CID 10. p. 24), é um transtorno caracterizado, essencialmente, pela presença das manifestações ansiosas que não são desencadeadas exclusivamente pela exposição a uma situação determinada. Podem estar acompanhadas de sintomas depressivos ou obsessivos, assim como de certas manifestações que traduzem uma ansiedade fóbica, desde que estas manifestações sejam, contudo, claramente secundárias ou pouco graves.

Os sintomas essenciais são variáveis, mas compreendem nervosismo persistente, tremores, tensão muscular, transpiração, sensação de vazio na cabeça, palpitações, tonturas e desconforto epigástrico. Medos de que o paciente ou um de seus próximos irá brevemente ficar doente ou sofrer um acidente, são frequentemente expressos.

De uma forma geral os sintomas comuns da ansiedade são: taquicardia, sudorese, tremores nos membros inferiores, mãos frias, fadiga, irritabilidade, insônia, dores de cabeça e no estômago, náuseas, diarreia, dificuldade de concentração…

Já a fobia é um sentimento irracional e sem sentido para a pessoa que não seja fóbica, mas para quem sofre desse transtorno sabe exatamente o quanto atrapalha e lhe impede de ter uma vida como a maioria das pessoas que conhece e as chama de normais, dentre as diversas fobias as mais comuns são de: animais, local fechado ou aberto, dentista, falar em público…

Em relação ao pânico, ocorre uma catastrofização e a pessoa passa a ter medo de ter medo (síndrome do pânico) ou episódios de pânico, do estímulo que disparou o gatilho ansiogênico, neste caso existe uma supervalorização da situação. De repente algo simplesmente ocorre de forma inesperada e o indivíduo se  sente possuído por profundo medo e desespero.

Quem padece dessa síndrome, sofre profundamente nas crises e nos intervalos entre elas. Ou seja, é um horror! A pessoa se sente desprotegida e desamparada a nível extremo.

hipnoterapia-ferramenta-tratamento-ansiedade

Comorbidades

Dentre as comorbidades, as mais comuns são: Fobia, Pânico, Depressão, Transtorno Obsessivo Compulsivo – TOC, Transtorno de Ansiedade Generalizada – TAG e Transtorno do Estresse Pós Traumático – TEPT.

Mas qual a solução? Primeiro reconhecer que tem esta dificuldade, e claro procurar ajuda profissional, por exemplo: Hipnoterapeuta, psicólogo ou psiquiatra para submeter-se ao tratamento. Diariamente coisas boas e ruins acontecem a todos nós, como se lida com isso é que vai fazer total diferença.

“Não importa onde você parou. Em que momento da vida você cansou. O que importa é que sempre é possível recomeçar.  Recomeçar é dar uma nova chance a si mesmo… É renovar as esperanças na vida e, o mais importante… Acreditar em você de novo.  Sofreu muito neste período? Foi aprendizado… Chorou muito? Foi limpeza da alma… Ficou com raiva das pessoas? Foi para perdoá-las um dia… Sentiu-se só diversas vezes? É porque fechaste a porta até para os anjos… Acreditou que tudo estava perdido? Era o início da tua melhora… Onde você quer chegar? Ir alto? Sonhe alto… Queira o melhor do melhor… Se pensarmos pequeno… Coisas pequenas teremos… Mas se desejarmos fortemente o melhor e, principalmente, lutarmos pelo melhor… O melhor vai se instalar em nossa vida. Porque sou do tamanho daquilo que vejo, e não do tamanho da minha altura”.
Carlos Drummond de Andrade

hipnoterapia-ferramenta-tratamento-ansiedade

Tratamento

Na maioria das vezes, o indivíduo quando vai ao nosso consultório, já faz tratamento psicológico ou medicamentoso há algum tempo, e percebeu que quando a medicação é suspensa tudo que ele sentia antes voltava totalmente, às vezes até dizem: “tudo voltou como antes”.

A medicação tem sua importância, claro que tem, mas é também necessário complementar a terapêutica medicamentosa, porque ela trabalha metaforicamente na ponta do iceberg, no sintoma, já a causa está submersa e com a psicoterapia e/ou hipnoterapia, consegue-se chegar a causa, onde tudo um dia começou, como chamamos de evento causador inicial – ECI.

Sabemos que ao usar a ferramenta hipnose, ocorrerá uma potencialização dos cinco sentidos: visão, audição, tato, olfato e paladar, atravessaremos o fator crítico, acessaremos o subconsciente do paciente, que é lá onde tudo ocorre, e dessa forma chegaremos as suas memórias permanentes ou de longo prazo através do Protocolo da OMNI Hypnosis Training Center, a R2C, resignificaremos os eventos causadores iniciais, secundários e suas crenças limitantes.

Este protocolo, pela nossa experiência, é suficiente para que o paciente tenha êxito nessa sua empreitada, que é a busca do seu bem-estar, melhor qualidade e estilo de vida, no entanto, já no pre-talk ele fica sabendo que o sucesso da hipnoterapia depende unicamente dele e de sua atitude mental positiva.

Costumo ancorar o lugar seguro ou feliz, que ele poderá sempre que se sentir inseguro por algum motivo, acionar sua âncora e evocar aquela emoção de segurança e felicidade.

Como o cérebro não consegue distinguir o que é imaginário do real, utilizo também a técnica da projeção, em que o paciente se vê diante dos já conhecidos estímulos ansiogênicos, interagindo com eles, se sentindo bem e tranquilo.

Costumo pedir que o paciente preencha um formulário, para termos uma noção de como agiu diante dos já conhecidos estímulos ansiogênicos, em que será identificado: dia, nível de ansiedade, gatilho e sua resposta de enfrentamento. Informações que serão trabalhadas durante suas sessões posteriores.

“Depois da decisão, precisa haver atitude, se você romper as grades mas não bater as asas para valer, jamais poderá voar de verdade”. Professor Galvão

“A vida é uma peça de teatro que não permite ensaios. Por isso, cante, chore, dance, ria e viva intensamente, antes que a cortina se feche e a peça termine sem aplausos e você não tenha tempo para nada mais”. Charles Chaplin

A música “O Amanhã”, da cantora Simone, expressa um pouco como funciona a mente de uma pessoa ansiosa.

“Como será amanhã?

Responda quem puder.

O que irá me acontecer?

O meu destino será…

Como Deus quiser!

Como será?”

A lei da mente é implacável. O que você pensa, você cria; O que você sente, você atrai; O que você acredita, torna-se realidade.” Buda

Psicólogo, com diversas especializações nas áreas da Psicologia Organizacional e Clínica, é hipnoterapeuta com vários cursos nacionais e internacionais, dentre eles destacamos o da OMNI Hypnosis Training Center em: Hipnoterapia, HypnoSport e HypnoPerform. Atualmente é psicólogo da Companhia de Água e Esgotos da Paraíba – CAGEPA, e também atua como psicólogo clínico e hipnoterapeuta na cidade de João Pessoa – PB. É atualmente Secretário da Sociedade Paraibana de Hipnose e Sofrologia.

X