Junte-se ao grupo de assinantes e receba dicas, e-books e artigos do HypnoPlace.



Crenças limitantes: Entenda como a hipnose pode ajudar

Certeza de não ser bom o suficiente, que ninguém gosta e de que é um total fracasso, são alguns dos sentimentos mais comuns em pessoas com crenças limitantes. Para esclarecer algumas dúvidas sobre este assunto, escrevi sobre como essas crenças podem interferir no desenvolvimento pessoal.

Crenças primárias

Desamor

A pessoa tem certeza, essa cognição é irracional e inconsciente de que ninguém gosta ou nunca gostou dela, e se sente rejeitada. Às vezes esse sentimento vem sendo reforçado negativamente ao longo do tempo, com diversas experiências negativas, como por exemplo: ter poucos ou nenhum amigo/colega desde a tenra idade nos colégios que já estudou ou estuda atualmente, no bairro que mora ou até mesmo nos locais onde trabalha/trabalhou.

E para completar ainda mais essa experiência de vida, vista como negativa, pode também ter acontecido dessa pessoa não ter sido desejada por suas figuras parentais (pai e mãe) e durante sua gestação ter havido alguma tentativa de aborto, ou quando nasceu ter sido abandonada por eles.

Provavelmente foi adotada por uma boa família, isso diminuirá a certeza de ser indesejada e incapaz de ser amada, diminuindo assim a sua certeza de ser rejeitada. De uma forma geral, a pessoa que se sente dominada e influenciada por essa crença se sente diferente e sem nada a oferecer, além de indesejável, feia, incapaz de ser amada… condenada a viver só e nunca ser amada.

mulher triste de cabeça baixa

Desvalor

A pessoa acredita ser desvalorizada, inaceitável e sem valor algum, claro que essa é uma condição totalmente irracional e sem sentido, porém para ela é o correto e realmente corresponde a total verdade. Normalmente seus pensamentos dominantes são: sou sem valor, derrotado, um lixo, incapaz e desmerecedor de viver. Com a certeza de ser um nada!

Desamparo

A pessoa de forma geral quando está em harmonia com seu corpo e mente, sente e tem a certeza que pode contar sempre com alguém que lhe dê um suporte, seja material, físico ou emocional. O indivíduo com a crença limitante se sente incompetente e fracassado, sem objetivo na vida, fraco, vulnerável e perdedor.

Crenças Secundárias

Esse tipo de crença consiste na pessoa começar a adotar recomendações de alguém que esteja consigo e assim agradá-la, geralmente ocorre da seguinte forma: a pessoa é extrovertida, tem muitos amigos e se sente bem em vestir uma roupa curta e decotada, e por causa do namorado(a), que quando o(a) conheceu era exatamente assim, e agora se sente incomodado com a forma que ele(a) é e se veste, começa a exigir mudanças comportamentais da forma que é melhor para ele.

Então,  para mantê-lo(a) consigo, aceita essas sugestões e altera sua forma natural de ser, no começo até é suportável, mas o tempo vai passando e começa a perceber que está perdendo sua forma natural de ser e agir, se sentindo sem graça e triste, perdendo seu brilho próprio.

Como as pessoas enfrentam essas crenças limitantes?

Cada pessoa desenvolve uma forma pessoal e peculiar de enfrentá-las, porém adotam quase sempre o condicionamento operante: Estímulo – Resposta (S – R), que resultam no tripé: manutenção, evitação e compensação.

  • Manutenção

A pessoa tende a manter e reforçar sua crença, quando permanece agindo de acordo com o que acredita. Por exemplo, atendi uma senhora que seu sonho era ser empreendedora no ramo de transporte do gênero alimentício, mas que sempre se sentiu incapaz de dar os primeiros passos.

  • Evitação

Na evitação, a pessoa realmente evita, se esquiva, foge, para evitar sentir a emoção negativa, caso se exponha a determinados gatilhos que ativem o estímulo, e assim acione aquela resposta já conhecida, que trará uma emoção desagradável e sentimentos associados à crença.

Uma pessoa que acredita ser um fracasso e incompetente, evitará iniciar empreender algum negócio, por se sentir e acreditar ser incapaz. Geralmente por acreditar nessa falsa verdade, não iniciará um movimento energético para enfrenta-lo e assim fortalecerá sua crença.

  • Compensação

Talvez você conheça alguém que teve vários relacionamentos que chegaram ao fim, porque o outro não quis mais. Possivelmente essa pessoa tenha duas ou as três crenças limitantes citadas acima e acredita ser desmerecedora e incapaz de ter e manter alguém do seu lado, e que a ame e deseje.

Como ao longo do tempo essa experiência negativa tem acontecido e dessa forma confirmando seu pensamento de desmerecimento, ela começa a se apresentar desarrumada ou engorda de forma descontrolada, para evitar ser desejada e que alguém se aproxime, e no final passar novamente pela experiência da rejeição (decisão do inconsciente).

família no trilho

Como e onde essas crenças tiveram seu início

Na infância recebe-se informações das figuras parentais (pai e mãe), baseadas nas suas experiências e programações de vida, com base na sua criação e do seu dia a dia, essa aprendizagem é natural e não tem como ser evitada.

Nossos pais fazem isso com boas intenções, porém nosso subconsciente, pode acreditar e resolver adotar como a mais pura verdade. Se o pai ou mãe tentou algo diferente e não conseguiu, tentou outras vezes e também deu errado. Possivelmente passará a acreditar que é incapaz de tal proeza, e se não consegue, poderá concluir que seu filho não conseguirá também.

Às vezes verbaliza: “você é incapaz, nada que fará dará certo, se eu não consegui, você também não conseguirá”. Realmente alguns pais criaram seus filhos estimulando a sensação de medo ou crenças, pensamentos e ações relacionadas a vários fatores distorcidos da vida, causando uma continuidade de insegurança pessoal, profissional e afetiva.

Dessa forma, o indivíduo (quando criança) passará a acreditar em tudo como se fosse uma verdade, por isso, todas as crenças têm início desde cedo em nossas vidas.

Atendi uma paciente que se sentia fracassada e infeliz apesar de ter formação de nível superior e uma família estável, durante sua regressão encontramos seu ECI – Evento Causador Inicial aos oito anos.

Seu pai era caminhoneiro e ela conversando com sua mãe disse: “quando eu crescer, terei uma transportadora com muito caminhões” e a sua mãe respondeu: “este era também meu sonho e se eu não consegui, você também não conseguirá”.

Para se chegar ao subconsciente, uma mensagem ou sugestão, se essa for negativa, ultrapassará o fator crítico como uma faca quente quando é pressionada na manteiga.

As crenças limitantes são reais, porque o cérebro não distingue o que é real do imaginário, para ele é simplesmente real.

Pode-se desfazer essas crenças de diversas formas: através da hipnose, técnicas da Psicologia Comportamental e ainda com a Análise Bioenergética. Dessa forma será restaurada a maneira apropriada de se pensar, resultando num pensamento adequado, levando o paciente a se sentir empoderado para alcançar suas metas e objetivos a curto, médio e longo prazos.

cérebro dentro da lâmpada

Como tratar as crenças limitantes?

Em nosso dia a dia adotamos a soma da Psicologia Clínica Comportamental mais a Hipnoterapia, dessa forma descobrimos mais facilmente como e quando tudo começou, onde e quem de alguma forma colaborou na instalação dessa crença limitante, e faremos sua ressignificação.

Utilizamos no nosso consultório o que, na nossa opinião, é a melhor opção no tratamento deste tipo de queixa, é o protocolo R2C da OMNI (Omni Hypnosis Training Center), onde a partir do transe hipnótico profundo (sonambúlico) faremos a regressão desse paciente ao ECI – Evento Causador Inicial e aos ECSs – Eventos Causadores Secundários, ressignificaremos todo esse conteúdo emocional, mais a progressão com êxito de alguma meta do paciente sendo alcançada.

Faremos sua dehipnotização com  compouding positivos de realização e satisfação dessa meta por ele especificada, a partir da adoção e execução de um planejamento estruturado e posto em prática.

Espero que tenha gostado do artigo, deixe seu comentário e sua sugestão para o próximo. Até breve!

Psicólogo, com diversas especializações nas áreas da Psicologia Organizacional e Clínica, é hipnoterapeuta com vários cursos nacionais e internacionais, dentre eles destacamos o da OMNI Hypnosis Training Center em: Hipnoterapia, HypnoSport e HypnoPerform. Atualmente é psicólogo da Companhia de Água e Esgotos da Paraíba – CAGEPA, e também atua como psicólogo clínico e hipnoterapeuta na cidade de João Pessoa – PB. É atualmente Secretário da Sociedade Paraibana de Hipnose e Sofrologia.

X