Junte-se ao grupo de assinantes e receba dicas, e-books e artigos do HypnoPlace.



Auto-hipnose como ferramenta para o dia a dia

Primeiramente, é preciso considerar que toda hipnose é uma auto-hipnose. Como assim? Quando eu atendo alguém, costumo dizer que quem vai fazer todo o processo é o próprio cliente, porque não tem como eu entrar na mente dele e fazer as modificações, é ele quem faz todo o processo ativamente.

A nossa cultura nos molda para sermos eternos ‘pacientes passivos’, ou seja, esperamos que venha de outro ou de fora a solução para os nossos problemas. Quando estamos doentes, vamos ao médico que prescreve um medicamento, logo nos dirigimos até a farmácia, tomamos o remédio conforme indicado e esperamos a melhora.

O ato de ser um ‘paciente ativo’, às vezes, até faz parte de alguma ação nossa. Por exemplo, quantas pessoas já tentaram fazer exercícios físicos e não conseguiram manter sua proposta? Sabemos que isso demanda muita força de vontade e muitas razões conscientes que nos estimulam (me sentirei melhor comigo mesma, ficarei mais disposta…), mas nem sempre funciona, pois ser ativo em nossas decisões é tomar as rédeas da nossa vida como um todo.

Auto-hipnose ferramenta para dia a dia

Auto-hipnose como um hábito

Um dia eu acordei atrasada para um curso que estava fazendo e percebi que havia perdido um dos meus brincos. Esse tipo de coisa que acontece no nosso dia a dia e que nos atrasa, “droga, onde está o brinco? “onde eu deixei minhas chaves?”. A ansiedade de sair logo para não atrasar e o receio de perder o objeto num hotel e não encontrar nunca mais me fizeram perder muito tempo.

Até que me veio a ideia de usar a auto-hipnose para me ajudar nisso. Em pouco mais de dois minutos, deu certo! Mesmo com pressa, fiquei empolgada e com aquilo na cabeça. Foi um momento de estalo e eu entendi que a hipnose era ainda mais útil do que eu imaginava.

A gente aprende na clínica e modela na nossa mente que os casos de depressão, de ansiedade e pânico são resolvidos com o método, mas a auto-hipnose tem que ser utilizada como um hábito. Assim como bebemos líquido para nos mantermos saudáveis e vivos, a hipnose também tem que ser aplicada com esse objetivo, afinal, a melhor ferramenta que temos (e a mais misteriosa e potente) é, de fato, a nossa mente.

O que o brinco perdido tem a ver com hipnose, afinal? Sim, eu o encontrei com a ajuda da auto-hipnose, realmente o subconsciente tem o registro de tudo que acontece conosco, eu consegui me lembrar onde o havia deixado.

Eu uso este exemplo porque realmente quem não é capaz de fazer coisas pequenas, também não faz as grandes. As nossas mudanças internas são muito chatas e complicadas de fazer, se fossem simples não seriam problemas, né?

Se eu sou capaz de fazer uma mudança interna real com a ajuda da hipnose, essas pequenas coisas diárias, seja de objetos perdidos a pequenos hábitos como acordar um pouco mais cedo ou sentar-se de maneira correta, se tornarão fáceis de fazer, simples como um hábito adquirido, e este acesso constante ao subconsciente vai nos tornando cada vez mais conectados com nós mesmos.

Auto-hipnose ferramenta para dia a dia

Para que serve a auto-hipnose afinal?

Muitas vezes, eu recomendo a auto-hipnose para meus clientes, assim é feita a manutenção do trabalho realizado na sessão. Muitas das coisas que fazemos todos os dias não são necessariamente agradáveis. Pagamos contas, temos compromissos sociais, e boa parte do dia passamos cumprindo deveres.

Devemos sempre enaltecer as coisas positivas e a manutenção da saúde mental precisa ser feita diariamente. É como o cuidado que temos com a nossa casa. Todos os dias fazemos pequenas coisas como lavar louça, aguar as plantas, varrer a casa, trocar os móveis de lugar, entre outros.

Eu faço esse paralelo porque esse hábito de fazer manutenções internas não está dentro dos nossos costumes. Normalmente, as pessoas chegam para a hipnoterapia com a casa mental toda bagunçada. Detectamos o lugar crítico, mudamos as coisas de lugar e jogamos fora o que não serve, daí cabe ao morador manter aquele lugar organizado e está nas mãos dele a escolha do que colocar no lugar.

É assim que eu enxergo a terapia de hipnose e é assim que faço o paralelo com a auto-hipnose, esse cuidado diário com o ambiente interno mental para manter o mínimo de equilíbrio do sistema.

Auto-hipnose ferramenta para dia a dia

Como fazer auto-hipnose

Basta estar em um lugar relativamente tranquilo, saber entrar no estado e dar os comandos internos. Conforme a prática se aprimora, a necessidade de silêncio diminui e a pessoa pode praticar isso em qualquer lugar e em qualquer circunstância.

Escolha um momento em que ninguém vai te incomodar, por pelo menos 15 minutos (e é suficiente!), procure ficar confortável, respire fundo e relaxe.

No meu caso, quando faço a auto-hipnose, na minha mente eu seleciono o tópico que preciso trabalhar (preciso lembrar onde deixei minhas chaves, ou quero levantar mais cedo amanhã), então eu me concentro, foco e mantenho atenção total nesse tópico e logo eu tenho a solução ou algum insight como resposta.

Eu vou dar um bom exemplo: uma situação de estresse emocional onde faltou paciência. Imagine-se nesta ocasião, coloque uma lupa no sentimento, identifique-o e veja quais as outras cenas familiares ligadas a ele.  Isso te faz bem? Como gostaria de lidar com isso? Refaça mentalmente a cena que te incomoda, agindo exatamente como gostaria e quais os recursos que você precisa para que isso aconteça de fato.

Materialize na sua mente que o seu corpo vai fazer de tudo para que isso se torne realidade, afinal, o nosso subconsciente não sabe diferenciar muitas vezes o real do imaginário, então estes exercícios de recriação de cenas ajuda muito na reprogramação e educação mental.

Imagine a cena que te perturba, imagine da forma como gostaria que fosse, e o subconsciente vai enviar um sinal para o seu corpo e a sua mente vai agir fisicamente para que isso ocorra.

Tem funcionado para as mais diversas coisas, já precisei controlar emoções negativas de impulso e também precisei melhorar meu desempenho profissional, já achei as chaves do carro e também já consegui tomar decisões importantes.

É assim, essa atividade chamada auto-hipnose é como se fosse uma conversa interna, onde sempre encontramos as melhores respostas e, com certeza, a melhor versão de nós mesmos.

 

Formada em Arquitetura e Urbanismo, pós-graduada em Projeto Arquitetônico e Gestão em Inovação e Design pela Universidade Estadual de Londrina. Hipnoterapeuta avançada OMNI Hypnosis Training Center, formação em Hipnose Infantil pelo protocolo Hypnokids, e outros cursos complementares como Hipnose Integrativa com Melissa Tiers, Hipnose Prática com Pyong Lee, Especializada em Hypnowaving com Hansruedi Wipf e Transes Profundos com Michal Cieslakowski  e participação em diversos eventos e palestras da área de hipnose e hipnoterapia.

X