Junte-se ao grupo de assinantes e receba dicas, e-books e artigos do HypnoPlace.



Adolescente e Hipnoterapia: entenda como pode funcionar

Quando se pensa em trabalhar com hipnose, quase sempre vem à cabeça os adultos como clientes, porém é possível, sim, aplicá-la com êxito em adolescentes.

Ao sermos contatados por um pai ou mãe interessados que seu filho adolescente faça hipnoterapia, pedimos que nos envie um e-mail relatando as queixas que serão trabalhadas. Logo, marcamos uma sessão com eles para que possamos fazer a anamnese do adolescente que será atendido, e assim obtermos todas as informações necessárias para o entendimento adequado que o quadro clínico requer.

A adolescência é uma etapa intermediária do desenvolvimento humano, entre a infância e a fase adulta, é marcada por diversas transformações corporais, hormonais e comportamentais. Segundo a OMS, esse período é de 12 a 19 anos, já o Estatuto da Criança e do Adolescente – ECA, corresponde de 12 a 18 anos.

De uma forma geral, por ser o adolescente, aquele ser humano em pleno desenvolvimento tende a se afastar. A palavra adolescente origina-se do latim adolescere, que significa “crescer com dor”. É uma fase conflitiva em que há um meio caminho entre o brincar da criança e a fascinação pela aproximação do mundo adulto.

“Você não precisa sofrer para ser um poeta; a adolescência já é sofrimento suficiente para qualquer pessoa.”  John Ciardi

Anamnese

Após a leitura do e-mail enviado pelo pai ou mãe, marcamos uma entrevista com eles, onde investigaremos questões sobre o adolescente como: se foi planejada sua concepção e nascimento; como foi seu nascimento, se foi parto normal ou cesariana, se fez uso de fórceps; se foi amamentado; se tem irmãos, quantos são e como é que se relaciona com eles; como é o relacionamento com os pais; com quantos anos foi levado à escola pela primeira vez, saber se ele(a) não quis ficar, chorou, fez drama.

Então, a partir dessas informações que são colhidas na primeira sessão só com os pais é que marcamos o atendimento do adolescente, geralmente ele ou ela, vem acompanhado dos pais. Esse primeiro contato tende a ser tenso porque o adolescente, na maioria das vezes, é levado ao consultório contra sua vontade, é importante que se sinta à vontade para que consigamos sua confiança.

Costumo olhar em seus olhos e fazer-lhe perguntas simples, diretas e curtas como, por exemplo, em que posso ajudá-lo(a)? Algumas vezes, o silêncio e a cara feia são as respostas, fico observando-o por uns dois minutos e quebro o gelo com esta conversa:

eu, no seu lugar, também ficaria chateado por ser levado ao consultório de um psicólogo ou hipnoterapeuta contra minha vontade, mas já que estás aqui, vamos aproveitar essa oportunidade para batermos um papo.  Do quê você gosta e como costuma relaxar quando está estressado? Em que você acredita? Lá no nosso consultório o foco é seu acolhimento, para que se sinta bem e queira voltar para o próximo atendimento.

É importante que os hipnoterapeutas que trabalham com adolescente tenha informações sobre os gostos dele como: cantor preferido, filmes que assiste, lugares que frequenta ou que deseja ir, para que ele sinta que conhecemos parte do mundo que está inserido(a).

Sempre fazemos seu Genetograma de ascendência, de uma forma geral, do lado esquerdo situa-se a representação parental masculina (pai /espelho de vênus) e no direito a feminina (mãe/espádua de marte), e entre eles sua descendência (filhos) e as representações simbólicas dos relacionamentos dos membros familiares e suas preferências.

Fonte: sasint / Pixabay

Imaginemos que o Genetograma do adolescente que está sendo atendido, segundo sua visão, é um deste. Na sua cabeça o pai gosta mais do seu irmão mais velho e sua mãe do mais novo. Como será que ele se sente? Certamente deve estar se sentindo preterido por ambos, rejeitado, revoltado e com autoestima baixa.

Confiança

A tarefa primordial do hipnoterapeuta é conquistar sua confiança e convencê-lo(a) que concordar em fazer o tratamento (Hipnoterapia) será uma troca saudável, proveitosa e que poderá ficar se sentindo bem melhor, nessa empreitada um bom rapport é primordial e indispensável.

Nesse primeiro contato ou talvez na segunda sessão possivelmente, faremos sua avaliação também com técnica projetiva como o HTP – House Tree Person, que é um teste de grafismo e projetivo aplicado em avaliações psicológicas em que se distribui três folhas em branco e pede-se que desenhe uma casa, uma árvore e uma pessoa. A partir de perguntas específicas e a análise dessas respostas e das figuras desenhadas, haverá a projeção do subconsciente, e trazemos à tona elementos que estão guardados há anos.

Adolescente e Hipnoterapia

No trabalho hipnoterapêutico com adolescentes, logo após o rapport e o pré-talk, pode-se usar as induções tradicionais como a de Dave Elman, Arm Pull, Handshake, ou usarmos metáforas e contos, utilizadas quando se busca alguma mudança, principalmente relacionadas a baixa autoestima ou bullying …

Elas gostam de se sentir seguras e quase sempre têm um lugar em que quando estão lá ou até mesmo quando imaginam ou pensam estar lá, se sentem bem e tranquilas, dessa forma estaremos instalando a ancora de lugar seguro/feliz.

Se necessário, trabalharemos com regressão. Costumamos pedir fotos da atualidade até o nascimento e fazer a regressão em estado de vigília; a R2C (Regress to Cause), protocolo padrão OMNI, isso tem tido excelentes resultados em ressignificações de traumas.

Os adolescentes geralmente têm uma imaginação fértil, sonham com o amanhã e isso facilita em muito o trabalho com eles, a seguir, daremos alguns exemplos de algumas das principais queixas ou sintomas em que a hipnoterapia poderá atuar eficazmente:

  • Insegurança
  • Timidez
  • Vigorexia
  • Mau relacionamento com pais ou irmãos
  • Ansiedade
  • Medo das provas do ENEM
  • Baixa autoestima
  • Bullying
  • Chupar dedo (lembra a ligação com a mãe, é a busca pela proteção e o consolo), é mais comum em crianças, mas também ocorre com adolescentes
  • Enurese e/ou encoprese
  •  Gagueira
  • Onicofagia (roer unhas)

Costumamos utilizar a técnica de Estados do Ego (peça teatral imaginada), com todos os participantes que de uma forma ou outra possa ter contribuído para a instalação do trauma e ressignificar todo o conteúdo.

Há um comportamento até certo ponto comum entre as famílias, que é criticar aquele adolescente que se apresenta como desobediente ou rebelde, geralmente eles são assim porque quase sempre estão protegidos por uma casca que encobre suas reais necessidades, que poderão ser: pedido desesperado por carinho, amor e atenção. E ao invés de criticá-lo, parabenize-o: ”Muito bem, você é capaz e fez sua tarefa sozinho. Parabéns!”.

Os pais devem ficar alerta a manipulações, porque o adolescente pode está se apresentando com um aspecto deprimido e sem coragem, ou indisposição para ir ao colégio e bem disposto para passear no shopping ou comparecer a uma festa no mesmo dia.

Deve-se aproveitar aquele momento que seu adolescente acabou de adormecer e verbalizar próximo ao seu ouvido palavras incentivadoras e motivacionais como: “seu pai/sua mãe te ama”, “todos os dias sob todos os aspectos você está indo melhor e melhor em todos os sentidos”, “você hoje foi um bom filho e amanhã será ainda melhor”. E assim ajudar na construção de um adulto confiante e feliz.

Se gostou do artigo, compartilhe com os amigos e familiares, e até a próxima!

Psicólogo, com diversas especializações nas áreas da Psicologia Organizacional e Clínica, é hipnoterapeuta com vários cursos nacionais e internacionais, dentre eles destacamos o da OMNI Hypnosis Training Center em: Hipnoterapia, HypnoSport e HypnoPerform. Atualmente é psicólogo da Companhia de Água e Esgotos da Paraíba – CAGEPA, e também atua como psicólogo clínico e hipnoterapeuta na cidade de João Pessoa – PB. É atualmente Secretário da Sociedade Paraibana de Hipnose e Sofrologia.

X